Boas práticas no uso de ferramentas colaborativas online

O ensaio abaixo foi escrito em grupo, após pesquisarmos sobre netiqueta e boas práticas no uso de ferramentas colaborativas online. Foi uma boa experiência de elaboração colaborativa de trabalho escrito. Pudemos combinar diferentes potenciais para realizar essa produção escrita.

 

Boas práticas no uso de ferramentas colaborativas online para atividade docente


Anaí Haeser Peña

Antonia Oliveira

Gilson Pinheiro 

Marcio Moreira 

Sandra Viana 

Introdução

A netiqueta, termo que resulta da combinação das palavras net e etiqueta, descreve o conjunto de normas de comportamento para orientar as relações estabelecidas entre as pessoas no ciberespaço e, assim, assegurar a boa convivência na Internet, respeitando os direitos e deveres individuais e coletivos, bem como à diversidade (SaferNet Brasil,2012). Nesse sentido, descreveremos nas seções que seguem algumas recomendações sobre a postura do professor diante de estudantes e práticas adequadas de comunicação em contextos de ensino-aprendizagem mediados por novas tecnologias de informação e comunicação em ambientes virtuais (NTICS), especialmente algumas questões de netiqueta.

Recomendações gerais sobre postura docente adequada perante seus alunos em ambiente mediados por tecnologia

Ao tratarmos sobre a postura docente adequada perante alunos em ambientes mediados por tecnologia, cabe ressaltar especificidades do papel desempenhado por ele no paradigma educativo emergente. Entre essas especificidades, uma das mais importantes refere-se à centralidade da figura docente no processo de ensino-aprendizagem como facilitador ou mediador desse processo. Isto significa que o professor e professor-tutor devem se constituir enquanto parceiros dos estudantes na construção do aprendizado, oferecendo-lhes todo o apoio. Sua postura, portanto, deve priorizar um trabalho direto com o educando e envolve mais do que avaliar, monitorar e acompanhar o estudante no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), aplicar trabalhos, corrigi-los, discuti-los com os alunos, mas, principalmente, oferecer apoio, suporte e estabelecer relações afetivas e de reciprocidade (SERRA, 2005).

Assim, para além do simples exercício de repassar e controlar informações, o docente deve estar centrado na humanização do ambiente virtual de aprendizagem, através de uma ação que prime sempre pela busca de ressignificação de conteúdos e incentivo aos alunos para construírem novos sentidos para os conhecimentos que adquirirem. Dessa maneira, cabe ao docente a facilitação ou mediação do processo de ensino-aprendizagem, por meio da promoção da interatividade, do estabelecimento de relações de confiança, de comunicação bidirecional e dialógica, da colaboratividade, do estímulo à reflexão e à construção de aprendizes autônomos (SANTOS E OKADA, 2003).

Recomendações gerais sobre práticas adequadas para a comunicação do professor com seus alunos em ambiente mediados por tecnologia

As práticas adequadas para a comunicação docente-discente em ambientes mediados por NTICS compreendem, por um lado, a observância da netiqueta e, por outro, algumas peculiaridades relativas à implementação de processos de ensino-aprendizagem no ciberespaço. É preciso que o docente acompanhe, com frequência, o debate e interação entre estudantes, com vistas a responder no tempo necessário e com propriedade.  Em atividades grupais, é indicado referir-se aos colegas pelo nome ou apelido, quando esse for informado e a preferência pelo mesmo for expressa.  O docente precisa responder prontamente às mensagens recebidas, personalizar suas observações e promover a cooperação, buscando assistir e apoiar aos estudantes e incentivar o compartilhamento de idéias (SOARES, 2012).

É preciso cultivar o bom humor, ser cordial, empático, manter-se aberto ao diálogo, estimular a afetividade e utilizar frases de reconhecimento e incentivo, tais como “Boa idéia”, “Obrigada pelas sugestões”, etc (Teles, 2005). O uso de letras maiúsculas deve ser evitado, podendo ser utilizado com cautela para destacar uma informação, assunto, ou para títulos. Isso porque o uso de maiúsculas em ambientes virtuais pode indicar que se está gritando, falando alto ou demonstrando indignação (Teles, 2005; SafertNet Brasil, 2012). Embora seja preciso cultivar o bom humor, recomenda-se cuidado com as possíveis interpretações que sua mensagem possa redundar. Especialmente devido à ausência de contato visual, a mensagem humorística pode ser compreendida como crítica ou cobrança. Nesse sentido, o uso moderado de emoticons pode auxiliar a indicar que se trata de um comentário humorístico (TELES, 2005).

Considerações Finais

O presente estudo foi realizdo por  meio de pesquisa bibliográfica, a qual possibilitou identificar várias normas e cuidados relacionados à netiqueta, bem como boas práticas de comunicação online, para orientar a ação docente na educação mediada por novas tecnologias de informação e comunicação (NTICS) em ambientes virtuais. Percebe-se que a construção dessas normas é recente e muitas ainda estão em processo de construção e consolidação. “Como a Internet e a comunicação dentro do ambiente virtual ainda são fatos relativamente novos, as regras de comportamento estão sendo construídas aos poucos por todos os internautas” (SAFERNET BRASIL, 2012).

Referências bibliográficas

SAFERNET BRASIL. Netiqueta. Retirado de http://www.safernet.org.br/site/prevencao/glossarios/netiqueta. Acessado aos 18/04/2012.

SANTOS, E. O.; OKADA, A. L. A Construção de Ambientes Virtuais de Aprendizagem: por autorias plurais e gratuitas no ciberespaço. XXVI Reunião Anual da ANPED, Poços de Caldas, Minas Gerais, 2003.

SERRA, D. T. S. (2005). Afetividade, aprendizagem e educação online. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

SOARES, Silvia Lúcia. NETIQUETA: questão de elegância Virtual. Disponível emhttp://uab.unb.br/course/view.php?id=402. Acesso em 21 de abril de 2012.

TELES, L. (1993). Cognitive Apprenticeship on global Networks, in L. Harasim, L. (org.) Global Networks: Computers and Communitions. Cambridge: MIT Press.

Anúncios

Sobre aninhahaeser

Psicóloga da SEDF, atuando no Serviço Especializado de Apoio à Aprendizagem. Psicóloga, Artista Plástica, Licenciada em Artes Visuais. Interessada pelo desenvolvimento humano, pelos processos de ensino-aprendizagem e por novas tecnologias de informação e comunicação. Encantada pela Arte: visual, teatral, poética...
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s